sábado, 31 de dezembro de 2011

Música Fortaleza: 6º Rock Cordel

Aqueça para o evento baixando o EP do SIM (Sinais Invertidos de um Mágico), Em Tardes de Céu Azul, lançado em setembro pelo Som do Norte: http://somdonorte.blogspot.com/2011/09/central-de-abastecimento-em-tarde-de.html



Teatro Belém: Em Algum Lugar de Mim

Daniel Piza (1970-2011)


Confesso que listas/ retrospectivas de final de ano me incomodam um pouco. Um pouco porque sempre é questionável, ao se pensar em arte, dizer que A e B foram os melhores (e por que não C? Ou Z?). Mas, principalmente, porque essas listas, invariavelmente, são elaboradas e publicadas com o ano ainda em curso (o ideal seria que saíssem ali pelo dia 3 de janeiro). O modo atual gera um problema técnico: sempre poderá acontecer algo, antes das 23h59 do dia 31 de dezembro, que merecesse ser incluído. Como, por exemplo, o falecimento neste dia 30 de Daniel Piza, uma grande perda para o Jornalismo Cultural deste país. Piza estava em Gonçalves (MG), passando o final de ano com a família, quando sofreu um AVC.

Advogado de formação, Piza desenvolveu sua carreira de jornalista praticamente toda em diários paulistanos - O Estado de São Paulo, Folha de S. Paulo e Gazeta Mercantil. Como, durante muito tempo, minha atenção, fora a imprensa gaúcha, estava mais voltada para os jornais cariocas (nos anos 80, cheguei a ser assinante do Jornal do Brasil, que recebia pelo Correio com uma média de dois a três dias de atraso, quando morava em Bento Gonçalves, RS), só fui tomar conhecimento do trabalho de Piza quando ele, nos anos 90, revolucionou o caderno cultural da Gazeta Mercantil - a começar pela providência, que hoje parece óbvia, de estender a agenda cultural do caderno para incluir eventos de todo o Brasil, já que o jornal tinha circulação nacional, com impressão simultânea em várias capitais. Também curtia no caderno os textos mais aprofundados e melhor redigidos que a média dos impressos. Mas só vim a saber que era Piza o responsável pela maior qualidade do caderno da Gazeta em 2005, quando li seu livro Jornalismo Cultural, publicado dois anos antes pela editora Contexto, onde, além de abordar teoria e história desta área do Jornalismo, Piza relatou sobre sua própria trajetória, incluindo textos seus comentados quanto à apuração e à redação - o que é muito raro na bibliografia brasileira dedicada ao Jornalismo.

A leitura desta obra, junto a outras recomendadas pela professora Cida Golin (entre as quais destaco Culturas e Artes do Pós-humano, de Lucia Santaella, me foi fundamental para a formulação do curso de Jornalismo Cultural que o Sindicato dos Jornalistas Profissionais do Estado de São Paulo convidou-me a desenvolver e que seria realizado pela primeira vez em outubro de 2005 (seria, porque surgiu outro convite, da Fundação Getúlio Vargas, para eu falar sobre o mesmo tema no MBA de Gerência em Jornalismo que realizava em Belém, em agosto de 2005). O curso, por sua vez, deu origem ao site (hoje blog) Jornalismo Cultural.

Em agosto, publiquei aqui um trecho da entrevista que Piza concedera a Márcia Carvalho, do Diário do Pará (Belém). Em sua homenagem, atualizei há pouco o post, incluindo agora a íntegra da entrevista publicada às vésperas da participação dele na Feira Pan-Amazônica do Livro. Confira: http://vamosfalar-jornalismocultural.blogspot.com/2011/08/daniel-piza-industria-cultural-nao-tem.html

quinta-feira, 29 de dezembro de 2011

Oportunidade Brasil: Abertos cinco editais de Cinema


A Secretaria do Audiovisual do Ministério da Cultura (SAv) abriu ontem inscrições para cinco novos editais de fomento à produção audiovisual, que juntos representam um investimento total de R$ 17,9 milhões. As inscrições vão até 10 de fevereiro de 2012.

Os editais abrangem todas as regiões do país e foram concebidos para apoiar obras de longa e curta-metragem de baixo orçamento, entre ficções, animações e documentários, roteiristas profissionais e estreantes, além de apoiar cinco iniciativas de documentários de longa-metragem com orçamento de mercado.

Veja abaixo o resumo de cada edital e acesse os documentos completos:

Edital de Apoio à Produção de Obras Audiovisuais Cinematográficas, Inéditas, de Ficção, de Baixo Orçamento – apoiará, com até R$ 1.200.000,00 (um milhão e duzentos mil reais), cada umas das 10 (dez) obras cinematográficas inéditas de baixo orçamento, de ficção, com duração de até 70 (setenta) minutos com uso ou não, parcial ou total, de técnicas de animação, sendo permitida a incursão experimental com caráter de inovação de linguagem. Cuja destinação e exibição seja prioritária e inicialmente voltada ao mercado de salas de exibição. Valor total: R$12 milhões. Acesse o edital.

Edital de Apoio à Produção de Obras Audiovisuais Inéditas de Curta Metragem, do Gênero Ficção, Documentário e Animação – fomentará a produção de até 25 (vinte e cinco) projetos, destinando apoio individual no valor de até R$ 100.000,00 (cem mil reais). As obras cinematográficas devem ser inéditas, de curta metragem de ficção, documentário e animação, sendo permitida a incursão experimental, com caráter de inovação de linguagem. As produções devem ter duração entre 10 (dez) e 15 (quinze) minutos. Valor total: R$ 2.5 milhões. Acesse o edital.

Edital de Apoio ao Desenvolvimento de Roteiros Cinematográficos Inéditos, de Ficção para Roteiristas Profissionais* – tem o objetivo de selecionar até 13 (treze) projetos, que terão apoio individual no valor de R$ 50.000,00 (cinquenta mil reais). Serão contemplados 8 (oito) projetos de desenvolvimento de roteiros cinematográficos, inéditos, com duração de até 70 (setenta) minutos, de ficção e 5 (cinco) projetos de desenvolvimento de roteiros, com duração de até 70 (setenta) minutos, com temática infantil, inéditos, de ficção. Os roteiros com temática infantil devem ser dirigidos ao público com faixa etária de 4 (quatro) a 12 (doze) anos.

*ROTEIRISTA PROFISSIONAL é a pessoa física, autor da obra literária, adaptada ou não, a ser utilizada na produção de filme ficcional, que tenha ao menos um roteiro de longa-metragem de sua autoria filmado e exibido em circuito de salas de exibição comercial ou em mostras e festivais de cinema e/ou canais de televisão. Valor total: R$ 650 mil. Acesse o edital.

Edital de Apoio ao Desenvolvimento de Roteiros Cinematográficos Inéditos, de Ficção para Roteiristas Estreantes* – irá fomentar a produção de até 10 (dez) projetos, com o valor de R$ 25.000,00 (vinte e cinco mil reais) para cada um. Serão contemplados os projetos de desenvolvimento de roteiros cinematográficos, inéditos, de ficção, exclusivamente para roteiristas estreantes.

*ROTEIRISTA ESTREANTE é a pessoa física, autor da obra literária, adaptada ou não, a ser utilizada na produção de filme de longa metragem ficcional, que nunca teve um roteiro de longa metragem de sua autoria filmado, e exibido em circuito comercial ou em mostras e festivais cinematográficos e/ou canais de televisão. Valor total: R$ 250 mil. Acesse o edital.

Edital de Apoio à Produção de Obras Audiovisuais Cinematográficas do Gênero Documental inéditas – prevê a seleção de até 5 (cinco) projetos, destinando apoio individual no valor de até R$ 500.000,00 (quinhentos mil reais). Serão contempladas produções cinematográficas, com duração de até 70 (setenta) minutos, inéditas, do gênero documentário, com uso ou não, parcial de técnicas de animação, sendo permitida a incursão experimental com caráter de inovação de linguagem. Valor total: R$ 2.5 milhões. Acesse o edital.

Para efetuar as inscrições, clique aqui.

Informações: concurso.sav@cultura.gov.br

Música Natal: Baile Barulhinho Bom


O site DoSol publicou hoje chamada para o evento que vai animar as noites de sexta no Centro Cultural Dosol (Natal) até o Carnaval: o Baile Barulhinho Bom, onde a cantora Khrystal apresenta releituras do samba no show Do Jeito que a Vida Quer, além da discotecagem de música brasileira com o DJ Magão. A festa inicia às 22h, com ingressos a R$ 10. Saiba mais no site DoSol.

No vídeo abaixo, Khrystal fala sobre sua carreira, e canta "Dois Tempos" (dela) e "O Trem" (dela em parceria com Baya e Fontes).

domingo, 25 de dezembro de 2011

Cinema Pará: Priscilla Brasil


Perfil da cineasta paraense Priscilla Brasil, saído n'O Globo de hoje e assinado por Mariana Filgueiras.

Pra quem ainda não sabe, Priscilla é a genial diretora do clipe "Xirley", o primeiro de Gaby Amarantos. E, pelo que a matéria diz, logo vai ganhar um 'irmãozinho', espero que do mesmo nível.

Para ler a matéria, clique nas imagens, que vão ampliar o texto. E veja "Xirley", o clipe, no Som do Norte.

sexta-feira, 9 de dezembro de 2011

Lançamento Musical: Djalma Lúcio - Conforme prometi no réveillon



O cantor e compositor maranhense Djalma Lúcio lançou na internet em fevereiro de 2011 seu primeiro EP solo, Conforme prometi no réveillon. O disco virtual, com quatro músicas, está disponível para download em seu blog http://djalmalucio.com/ - e agora aqui no Jornalismo Cultural.

Gravado em outubro de 2010 no estúdio Casa Louca, de São Luís, este é o primeiro registro solo de Djalma. Antes, gravou o único álbum lançado por sua antiga banda, Catarina Mina, que marcou a cena maranhense entre 2000 e 2004. São dessa época as canções “Infiel” (parceria de Djalma com Fábio Abreu e Breno Galdino) e “Bar central”, já conhecidas pelos fãs, mas que até agora permaneciam inéditas. Com o término da banda, Djalma mudou-se para o Rio de Janeiro para estudar Rádio e TV na UFRJ. Paralelamente ao estudo, seguiu com a música; é deste período “Não quero dançar”, inspirada pelo que ele próprio define como “inadequação a certos aspectos da vida noturna carioca”. Para surpresa de Djalma, esta canção se tornou sucesso entre seus colegas de faculdade, gerando o convite para um breve show na boate Pista 3, ao lado do flautista Pedro Veríssimo, em 2008.

De volta a São Luís após a formatura, Djalma produziu o EP em parceria com Adnon Soares, também o responsável pelo baixo e programação de bateria. A guitarra de Djalma traz como principal referência John Frusciante (ex-Red Hot Chilli Peppers). Suas canções, de linhagem pop, têm texturas sonoras particulares; as melodias, em alguns momentos, remetem ao Clube da Esquina. Suas letras, expressivas, apresentam influências de Caetano Veloso, Lou Reed e Jarvis Cocker.

Para divulgar seu primeiro disco, Djalma tem feito shows em São Luís e em Imperatriz (MA). A cada apresentação, uma nova canção é acrescentada ao set list, que já inclui, além do repertório do EP, novas composições e antigos sucessos da época da Catarina Mina, como “Haicai”.

Baixar EP

EP Conforme Prometi no Réveillon
DJALMA LÚCIO - 2011

1. Infiel (Djalma Lúcio/Fábio Abreu/Breno Galdino)

2. Conforme prometi no réveillon (Djalma Lúcio)

3. Não quero dançar (Djalma Lúcio)

4. Bar Central (Djalma Lúcio)


Baixar EP

sábado, 3 de dezembro de 2011

Música Belém: Festival Internacional BNDES de Piano


O pianista carioca Fabio Martino realiza concerto ao lado da Orquestra Sinfônica Altino Pimenta da Escola de Música da UFPA no Theatro da Paz, em Belém, no dia 4 de dezembro, domingo, a partir das 20h, com entrada franca. O concerto faz parte da programação do 38º Encontro de Artes de Belém (Enarte) e integra a programação do Festival Internacional BNDES de Piano do Rio de Janeiro, evento que marca o lançamento da terceira edição do Concurso Internacional BNDES de Piano do Rio de Janeiro, a maior competição brasileira no gênero. O Festival terá ao todo 12 concertos que ocorrem entre 27 de novembro e 12 de dezembro de 2011, sendo sete no Rio de Janeiro (incluindo abertura e encerramento, com a presença de Nelson Freire), mais etapas em Fortaleza, Aracaju, Belém, Recife e Manaus. Todos os pianistas participantes do Festival são vencedores dos maiores concursos internacionais de piano. O programa em Belém prevê a execução do "Concerto nº 5 (Imperador)", de Ludwig van Beethoven, ao lado da estreia de "Suíte Amazônica", do paraense Adelbert Carneiro, sob regência de Phillippe Forget, além do "Réquiem, Op. 48", de Gabriel Fauré, pelo Madrigal da UEPA acompanhado do Núcleo de Música Antiga da UFPA.

Em 2010, Fabio Martino, então com 22 anos, foi o primeiro colocado no 2º Concurso Internacional BNDES de Piano do Rio de Janeiro, fazendo jus também ao prêmio de Melhor Intérprete de Música Brasileira.

Além de tocar em Belém, Martino se apresenta no Rio de Janeiro, ao lado de Daniil Trifonov, vencedor do Concurso Tchaikovsky 2011; Sasha Grynyuk, vencedor do Concurso Internacional BNDES do Rio em 2009; Haochen Zhang, vencedor do Concurso Van Cliburn 2009; Lukas Geniusas, segundo lugar do Concurso Chopin 2010; Kotaro Fukuma e Evgeny Brakhman, segundo e terceiro colocados no Concurso Internacional BNDES do Rio em 2010. Martino também integra a itinerância do Festival, que prevê concertos dele e de Brakhman, Fukuma e Grynyuk por capitais do Norte e do Nordeste.

A terceira edição do Concurso Internacional BNDES de Piano do Rio de Janeiro irá homenagear Almeida Prado, renomado compositor e pianista brasileiro falecido recentemente, e será realizada de 25 de novembro a 8 de dezembro de 2012 no Theatro Municipal carioca.

A abertura do Festival 2011, no dia 27 de novembro, fica a cargo do jovem russo Danili Trifonov, que ganhou a edição 2011 do Concurso Tchaikovsky, em Moscou, e hoje é um dos mais prestigiados jovens intérpretes do planeta. Ele vem pela primeira vez ao Brasil – as revistas internacionais de música referem-se a ele como “o acontecimento do ano”. A pianista Martha Argerich chamou-o de "gênio". Ainda na abertura do Festival, será lançado o livro Guiomar Novaes do Brasil, dos jornalistas Luciana Medeiros e João Luiz Sampaio, que inclui dois CDs com gravações da pianista com a New York Philharmonic Orchestra, inéditas no Brasil. O encerramento, no Rio, dia 11 de dezembro, será com um recital de Nelson Freire, fervoroso admirador de Guiomar Novaes, e que ganhou seu primeiro grande destaque em um concurso internacional no Rio de Janeiro, em 1957.

sexta-feira, 2 de dezembro de 2011

Música Rio de Janeiro: Ilana Volcov



Veja o clipe de uma das faixas do CD Bangüê, que a paulista Ilana Volcov lança no Rio: "O Trem", da pernambucana Karina Buhr.


segunda-feira, 21 de novembro de 2011

Agenda Porto Alegre: Plauto Cruz



Plauto Cruz (acima, em foto de Cynthia Vanzella) é um dos dois maiores flautistas populares brasileiros em atividade. O outro é Altamiro Carrilho, fã confesso do colega gaúcho. Ativo aos 82 anos recém-completados no último dia 15, ele é a atração desta semana do Musical Petropar, tendo a seu lado sua assídua parceira, a pianista Dionara Schneider. Imperdível, pois.

Plauto começou sua carreira em Porto Alegre, na Rádio Gaúcha, no programa “Duque de Antenas” e, posteriormente, foi para Difusora, no programa “Hora do Bico”, atuou na emissora Clube Metrópole, depois na rádio Itaí, e por último na Farroupilha. Mais tarde voltou a trabalhar para a Gaúcha e para várias outras emissoras no Brasil, incluindo televisão. Conquistou 60 troféus, destacando-se, entre eles, a Medalha Simões Lopes Neto, concedida pelo Governo do Estado; Cidadão Emérito de Porto Alegre, pela Câmara de Vereadores; e Cidadão Porto-Alegrense, pela Prefeitura de Porto Alegre.


Serviço:

O que: Musical Petropar
Onde: Foyer Nobre do Theatro São Pedro
Endereço: Praça Marechal Deodoro, s/n° - Centro, Porto Alegre
Quando: dia 23 de novembro, quarta
Horário: 12h30
Grátis!

domingo, 20 de novembro de 2011

Me Formei, E Agora?: Evitando o Pensamento Mágico

No dia 23 de setembro, realizei na Saraiva MegaStore de Belém (PA) uma palestra com o mesmo nome do meu Workshop já divulgado aqui - Me Formei, E Agora? A ideia foi utilizar a palestra para expor os principais conceitos do workshop, sendo esta a primeira vez que o workshop, que até aqui vem acontecendo sempre de forma virtual, pela internet, foi abordado diante de uma plateia - não muito numerosa, como se pode ver pelas fotos de Tainah Fagundes, mas atenta e interessada.

Quando falei sobre os Cinco Valores que, acredito, devam estar presentes em todas nossas atividades profissionais – Currículo, Experiência, Remuneração, Contatos e Projeção, um rapaz me perguntou se há alguns deles que sejam mais importantes que outros. Por exemplo, se deveríamos sempre dar preferência a uma oportunidade profissional que proporcionasse maior remuneração. Respondi que cada caso é um caso, em algumas vezes você pode até aceitar um emprego que não pague tão bem, mas que represente uma experiência que você queira ter naquele momento (seria o caso, digamos, de quem saísse de uma redação de telejornal para trabalhar em rádio porque fez esta escolha). Mas que, por experiência própria, tenho quase certeza absoluta que, quando você faz algo movido apenas pela remuneração, a chance de êxito é bem pequena.

E é claro que, como sempre acontece, nem todo mundo conseguiu ver os conceitos que tentei passar como algo que cada um deve buscar adaptar para a sua realidade/ vivência e buscar construir a partir dali. Há quem vá para uma palestra desse tipo buscando alguma solução milagrosa. Justamente por isto, eu sempre advirto para que se evite o “pensamento mágico” no planejamento e gestão de carreira, em qualquer ocasião.

O que é o “pensamento mágico”? É acreditar que o seu sucesso depende de fatores desprovidos de qualquer lógica – você conseguir um emprego porque assim diz no horóscopo, ou imaginar que vai obter um novo contrato porque levantou hoje com o pé direito, coisas assim.

Enfim, houve de fato um outro rapaz que foi com a expectativa de entender porque não consegue estágio nem emprego na área de Jornalismo. Pedi a ele que descrevesse rapidamente o que tem feito e o que, de fato, quer fazer – ou seja, qual seria o seu foco na profissão (por exemplo, ser produtor de TV? Repórter fotográfico de jornal?). Ele confessou que ainda não definiu um foco, mas que tem tentado de tudo: estágio acadêmico, emprego em TV, assessoria etc. etc. Para mim, aí pode estar o fator que impede o sucesso – não se tendo um foco, passa-se a “atirar para todo lado” e aí a chance de êxito reduz muito, pois é impossível que todos os lugares onde ele tente uma colocação o vejam como alguém com o perfil desejado. Afinal, você só poderá atender a expectativa de quase todos os empregadores se esta expectativa for bem básica – qualquer veículo precisa de alguém para a editoria de Geral, por exemplo, mas justamente porque todo diplomado pode ocupar esta vaga, a remuneração não é das melhores e você não é visto como alguém especial que deve ser mantido na equipe, e sim como um “substituível” a qualquer momento.

sábado, 19 de novembro de 2011

Cinema Tocantins: Miragem anuncia selecionados


A produção do 6º Miragem - Mostra de Cinema e Vídeo de Miracema 2011 anunciou na quinta as datas do evento e os filmes selecionados.

Este ano, a mostra programou sessões em onze cidades do estado do Tocantins: além da sede em Miracema, haverá atividades em Palmas, Pium, Tocantínia, Miranorte, Paraíso, Divinópolis, Guaraí, Araguaína, Gurupi e Cristalândia, tudo isto entre os dias 7 e 10 de dezembro.

Nesta edição foram inscritos 236 filmes produzidos em diversas regiões do país, dos quais 82 curtas foram selecionados para as categorias competitivas, além de 1 longa e 2 médias para a Mostra Especial, não-competitiva. Há duas produções do Tocantins, e 3 do exterior.

Clique na imagem para abrir o arquivo pdf com a programação (são 13 páginas).


Música Rio de Janeiro: Seu Jorge

terça-feira, 15 de novembro de 2011

Debate Belém: Vamos Falar de Jornalismo Cultural?

Fabio Gomes em foto de Tainah Fagundes

Papos & Ideias com Fabio Gomes: Vamos falar de Jornalismo Cultural?

A proposta do evento é reunir jornalistas atuantes na área de Cultura e estudantes de Jornalismo interessados no assunto para conversar sobre o momento atual e perspectivas para este importante ramo do Jornalismo, em especial num momento em que a música feita no Pará coloca Belém diariamente nas manchetes, com a repercussão de eventos como o itinerante Terruá Pará (finalista do Prêmio Bravo) e o Conexão Vivo Belém.

O mediador do bate-papo é o jornalista Fabio Gomes, natural do Rio Grande do Sul e que desde o ano passado transferiu-se para Belém, em função da repercussão de seu blog Som do Norte. Formado pela UFRGS, Fabio criou também os sites Brasileirinho e Jornalismo Cultural. Foi aqui em Belém, em 2005, que realizou a primeira edição de seu Curso de Jornalismo Cultural, com o qual circulou pelo país, a convite de entidades como o Sindicato dos Jornalistas de São Paulo e o SESC de Santa Catarina, e que ganhou uma versão "à distância" que tem ajudado no aperfeiçoamento de diversos jornalistas de todo o Brasil. O Curso também originou o Workshop Jornalismo Cultural 2.0, cuja primeira edição também foi realizada em Belém, durante o Conexão Vivo 2010, e tem percorrido estados do Norte. Mensalmente, Fabio promove na Saraiva MegaStore de Belém um pocket show da série Som do Norte na Saraiva.

Serviço

Vamos Falar de Jornalismo Cultural? - com Fabio Gomes
Espaço Benedito Nunes - Saraiva MegaStore
Boulevard Shopping – Av. Visconde de Souza Franco, 776 – Loja 233 / 2º piso, Reduto - Belém, PA
Segunda, 21 de novembro, 19h
Entrada franca
Realização: http://jornalismocultural.com.br/
Apoio: Saraiva MegaStore

Música Rio de Janeiro: Independente Rock

segunda-feira, 14 de novembro de 2011

Inicia nova turma do Curso à distância de Jornalismo Cultural

Nos primeiros minutos desta segunda, 14 de novembro, receberam a primeira aula da turma de novembro do Curso à distância de Jornalismo Cultural os alunos Gabriela Andrade (Marabá, PA), Murilo Morhy Jr. (Ananindeua, PA), Juliana Terra (João Pessoa, PB), Kleber Araújo e João Paulo Seixas (Recife, PE), Catarina Rocha e Silva (Salgueiro, PE) e Paulo Marques e Silva (São Paulo, SP). É nossa turma com maior número de alunos do Nordeste.

Também integra essa turma Nair Lima (Manaus, AM), cujas aulas iniciaram no dia 1 - os outros inscreveram-se aproveitando a prorrogação que fizemos das inscrições até o dia 9.

quarta-feira, 2 de novembro de 2011

Vão até 9/11 as inscrições para a turma de novembro do Curso à distância de Jornalismo Cultural


Foram prorrogadas até 9 de novembro as inscrições para a turma de novembro do Curso à distância de Jornalismo Cultural. O curso foi criado em 2006, a partir da adaptação para o ambiente da internet do Curso de Jornalismo Cultural desenvolvido pelo jornalista Fabio Gomes (ao lado, em foto de Tainah Fagundes), editor deste blog, a pedido da Fundação Getúlio Vargas, e que teve a primeira edição realizada em Belém (PA) em 2005, circulando depois por Rio Grande do Sul, São Paulo, Santa Catarina e Acre, e que deu origem também ao Workshop de Jornalismo Cultural 2.0, que desde o ano passado já teve sete edições nos estados do Pará, Amapá e Roraima. Nestes cinco anos, o Curso à distância já atendeu dezenas de alunos do Acre, Amazonas, Bahia, Distrito Federal, Espírito Santo, Goiás, Minas Gerais, Mato Grosso do Sul, Pará, Paraná, Pernambuco, Piauí, Rio de Janeiro, Rio Grande do Sul, Rondônia, Santa Catarina e São Paulo.

Programa


- Cultura e Sociedade - Visão antropológica, Visão semiótica
- Eras Culturais
- Jornalismo Cultural - conceito
- Gêneros do Jornalismo Cultural - Gêneros informativos, Gêneros opinativos
- Jornalismo Cultural no Mundo - Evolução e Panorama atual
- História do Jornalismo Cultural no Brasil: Folhetim (1808 -1899), Suplemento (1900-1950), Caderno (1951-2000)
- Construção do Texto Jornalístico-Cultural: Apuração, Checagem, Redação, Entrevista
- Formação em Jornalismo Cultural
- Mercado Profissional para o Jornalista Cultural

Como cursar

1 - O Curso à distância de Jornalismo Cultural se destina a jornalistas formados e estudantes de Jornalismo, bem como a pessoas que escrevam sobre temas culturais na imprensa e/ou na internet.

2 - O curso é ministrado via internet (por e-mail) com duração aproximada de um mês. Quem se inscrever até o dia 9 de novembro, receberá as aulas por e-mail nos dias 14, 21 e 28/11 e 5/12. Junto com a primeira aula, seguirá a apostila do curso. Obs: quem mandar o formulário até às 23h59 do dia 9/11, pode efetuar o depósito na manhã do dia 10/11 (até 12h).

3 - O valor de inscrição é de R$ 100,00. O pagamento deste valor quita o curso.

4 - Ao final, o aluno deverá produzir um texto para avaliação, a fim de fazer jus ao certificado, que será enviado pelo Correio nos primeiros dias de outubro aos que obtiverem avaliação "ótima" ou "boa". Não serão solicitados outros trabalhos antes do texto final.

5 - O Curso à distância de Jornalismo Cultural é um curso livre; seu certificado não enseja a eliminação de créditos em cursos de graduação.

6 - Para se inscrever, preencha e envie o formulário abaixo. Quando você clicar em "Enviar", será redirecionado para uma página com os dados bancários para o depósito.

1 - Nome:

2 - E-mail:

3 - Endereço para envio do certificado

(rua, nº, bairro, CEP):

4 - Cidade:

5 - Estado:

6 - Comentário:


Confirmo interesse no Curso à distância de Jornalismo Cultural
e aguardo as informações referentes ao depósito para inscrição.


segunda-feira, 17 de outubro de 2011

Literatura Roraima: Poeta Eliakin Rufino lança obra que reúne seus melhores poemas

Por Neidiana Oliveira

O primeiro escritor a publicar um livro de poemas em Roraima foi Eliakin Rufino, que desde 1984 vem marcando presença e colocando em evidência o setor artístico roraimense, tendo como marca registrada a diversidade temática e a pluralidade musical e artística.

Dentre as obras mais recentes do poeta está “Cavalo Selvagem”, elaborada a partir de versos e poemas escritos no decorrer de sua carreira. “Este é o décimo livro da minha carreira e reúne material das publicações anteriores desde poemas infantis, regionalistas, filosóficos, versão poética do Estatuto da Criança e do Adolescente, o ECA, até os inéditos”, comentou o autor.

O nome da publicação surgiu a partir de um dos textos mais conhecidos do autor, escrito em 1989, sendo recitado de Norte a Sul por poetas, atores, professores e estudantes. Rufino contou que, em 2009, o poema foi tombado como referencial artístico-cultural na emenda à Constituição do Estado, que designou os patrimônios históricos, artísticos, sociais, turísticos, ambientais e culturais roraimenses.


Este ano o poeta comemora 27 anos de carreira artística

“O livro é constituído por 215 páginas repletas de poemas distintos e criativos, que retratam muito bem minha trajetória artística, por isso escolhemos minuciosamente a denominação, a fim de propiciar ao leitor uma panorâmica do meu trabalho”, detalhou.


O poeta mantém a tradição roraimense em seu estilo musical

Para Rufino, poemas são deleites não apenas dos poetas, mas das pessoas que se deixam levar pela alma da palavra rimada em versos. “Escrever e saber construir um texto poético depende do encontro do escritor com a forma que mais lhe inspira. É parte de um pulsar subjetivo, que encontra vazão em um estilo contemplativo do espírito”, descreveu.

A editora Valer de Manaus (AM), responsável pela publicação, fez uma tiragem de mil exemplares do “Cavalo Selvagem”. O lançamento da obra, no Amazonas, ocorreu no dia 24 de setembro, onde teve uma tarde de autógrafos.

“Aqui em Roraima vão ser feitas duas sessões de autógrafos. Uma aconteceu no último sábado, 15, na Livraria Nobel, rua Araújo Filho, e a outra será na noite de quarta-feira, 19, no Café Literário que acontece na videoteca do Palácio da Cultura, a partir das 19h”, adiantou.


CONHEÇA MAIS SOBRE ELIAKIN RUFINO


Eliakin foi um dos fundadores do movimento cultural Roraimeira, que durou cerca de 16 anos

Nascido em 27 de maio de 1956 em Roraima, Eliakin Rufino se mantém em sua terra natal até hoje, salvo breves períodos de estudo e trabalho fora do Estado. Escritor, poeta, músico, cantor, compositor, filósofo, produtor cultural, professor, jornalista e um dos fundadores do movimento cultural Roraimeira, que teve início na década de 80 e durou cerca de 16 anos.

Segundo Rufino, a ideia do Roraimeira era buscar e colocar em destaque a identidade cultural roraimense, por meio da produção de uma arte referenciada pelos elementos da vida e das paisagens locais.

Este ano o poeta comemora 27 anos de carreira artística, que ao longo destes produziu oito livros de poesia, lançou quatro CDs solo e três coletivos, compartilhados com os companheiros do Movimento Roraimeira.

Faz shows de música e poesia falada, com banda ou no formato voz e violão. Muitas são as atividades que desenvolve, entre elas está a de escrever, que considera uma das preferidas. “Gosto do texto conciso, da audácia, da síntese, de dizer com o mínimo de meios e depois fazer acontecer”, relatou.

A arte de Eliakin Rufino revela profunda observação do mundo ao redor, abrangendo um dos elementos mais simples do cotidiano e da paisagem roraimense até temas de interesse nacional e global passando por reflexões sobre o ser poeta e o fazer poético.

Das imagens poéticas do artista surgem evocações de pessoas, lugares, bichos, sabores, cheiros, sons e outras tantas sensações. Surgem também notas de sensualidade, indignação, paixão, revolta, encantamento ou da mais genuína ironia. Tudo isso sempre na voz de um observador cuidadoso e crítico que transforma o olhar em poesia.

Rufino em sua trajetória tem vários livros publicados, entre eles: Pássaros Ariscos (1984), Poemas (1987), Escola de Poesia (1990), Brincadeira (1991), Poeta de água doce (1993), Versão Poética do Estatuto da Criança e do Adolescente (1995) e Poesia para ler na cama (1997). Tem também poemas publicados em antologias e sites de poesia nacionais e internacionais.

Fonte: Informações do texto da Profª. Dr.ª Cátia Monteiro Wankler, do curso de Letras da Universidade Federal de Roraima (UFRR).

* Publicado originalmente na Folha de Boa Vista