quinta-feira, 25 de outubro de 2012

Salvemos os índios Guarani-Kaiowá - URGENTE!

Leia, abaixo, carta de socorro da comunidade Guarani-Kaiowá. Os índios da etnia Guarani-Kaiowá estão correndo sério risco de GENOCÍDIO, com total omissão da mídia local e nacional e permissão do governo. Se você tem consciência de que este sangue não pode ser derramado, assine esta petição. Exija conosco cobertura da mídia sobre o caso e ação urgente do governo DILMA e do governador ANDRÉ PUCCINELLI, para que impeçam tais matanças e junto com elas a extinção desse povo.

CARTA:

"Nós (50 homens, 50 mulheres, 70 crianças) comunidades Guarani-Kaiowá originárias de tekoha Pyelito kue/Mbrakay, vimos através desta carta apresentar a nossa situação histórica e decisão definitiva diante de despacho/ordem de nossa expulsão/despejo expressado pela Justiça Federal de Navirai-MS, conforme o processo nº 0000032-87.2012.4.03.6006, em 29/09/2012.

Recebemos esta informação de que nós comunidades, logo seremos atacada, violentada e expulsa da margem do rio pela própria Justiça Federal de Navirai-MS. Assim, fica evidente para nós, que a própria ação da Justiça Federal gera e aumenta as violências contra as nossas vidas, ignorando os nossos direitos de sobreviver na margem de um rio e próximo de nosso território tradicional Pyelito Kue/Mbarakay.

Assim, entendemos claramente que esta decisão da Justiça Federal de Navirai-MS é parte da ação de genocídio/extermínio histórico de povo indígena/nativo/autóctone do MS/Brasil, isto é, a própria ação da Justiça Federal está violentando e exterminado e as nossas vidas. Queremos deixar evidente ao Governo e Justiça Federal que por fim, já perdemos a esperança de sobreviver dignamente e sem violência em nosso território antigo, não acreditamos mais na Justiça Brasileira.

A quem vamos denunciar as violências praticadas contra nossas vidas?? Para qual Justiça do Brasil?? Se a própria Justiça Federal está gerando e alimentando violências contra nós. Nós já avaliamos a nossa situação atual e concluímos que vamos morrer todos mesmo em pouco tempo, não temos e nem teremos perspectiva de vida digna e justa tanto aqui na margem do rio quanto longe daqui. Estamos aqui acampados 50 metros de rio Hovy onde já ocorreram 4 mortos, sendo 2 morreram por meio de suicídio, 2 morte em decorrência de espancamento e tortura de pistoleiros das fazendas. Moramos na margem deste rio Hovy há mais de um (01) ano, estamos sem assistência nenhuma, isolada, cercado de pistoleiros e resistimos até hoje. Comemos comida uma vez por dia. Tudo isso passamos dia-a-dia para recuperar o nosso território antigo Pyleito Kue/Mbarakay.

De fato, sabemos muito bem que no centro desse nosso território antigo estão enterrados vários os nossos avôs e avós, bisavôs e bisavós, ali estão o cemitérios de todos nossos antepassados. Cientes desse fato histórico, nós já vamos e queremos ser morto e enterrado junto aos nossos antepassados aqui mesmo onde estamos hoje, por isso, pedimos ao Governo e Justiça Federal para não decretar a ordem de despejo/expulsão, mas solicitamos para decretar a nossa morte coletiva e para enterrar nós todos aqui. Pedimos, de uma vez por todas, para decretar a nossa dizimação/extinção total, além de enviar vários tratores para cavar um grande buraco para jogar e enterrar os nossos corpos. Esse é nosso pedido aos juízes federais.

 Já aguardamos esta decisão da Justiça Federal, Assim, é para decretar a nossa morte coletiva Guarani e Kaiowá de Pyelito Kue/Mbarakay e para enterrar-nos todos aqui. Visto que decidimos integralmente a não sairmos daqui com vida e nem morto e sabemos que não temos mais chance em sobreviver dignamente aqui em nosso território antigo, já sofremos muito e estamos todos massacrados e morrendo de modo acelerado. Sabemos que seremos expulsas daqui da margem do rio pela justiça, porém não vamos sair da margem do rio. Como um povo nativo/indígena histórico, decidimos meramente em ser morto coletivamente aqui. Não temos outra opção, esta é a nossa última decisão unânime diante do despacho da Justiça Federal de Navirai-MS.''

Via Miguel Maron

 Via Marina Soucasaux Mendes

  • ASSINE A PETIÇÃO ONLINE PARA SALVAR OS GUARANI-KAIOWÁ:

Agenda Boa Vista: Sarau Poético


quarta-feira, 17 de outubro de 2012

Cinema Tocantins: 7ª Mostra Miragem 2012 divulga filmes selecionados

O 7º Miragem - Mostra de Cinema e Vídeo de Miracema/ 2012 divulgou a lista dos curtas, médias e longas-metragens selecionados para a sua sétima edição, que será realizada entre os dias 26 de novembro a 1 de dezembro, na cidade de Miracema do Tocantins e em mais 10 cidades do estado: Palmas, Porto Nacional, Pium, Tocantínia, Miranorte, Paraíso, Guaraí, Araguaína, Gurupi e Cristalândia.


Carta para o Futuro

Nesta edição foram inscritos 249 filmes, produzidos em 18 Estados do Brasil. Destes 114 curtas foram selecionados para as categorias competitivas e 05 filmes (longas e médias) para as Mostras Especiais/ Hors Concours (não competitivas). 37 cineastas concorrem na categoria Melhor Curta Diretor Estreante, prêmio estímulo aos novos diretores brasileiros.


Eu vos Declaro

Este ano a mostra miracemense concederá 10 troféus e R$ 2.500,00 (dois mil e quinhentos reais) em prêmios através do Júri Técnico e do Júri Popular.
O Júri Oficial concederá o Troféu Miragem 2012 nas seguintes categorias:
·         Melhor Curta Ficção
·         Melhor Curta Documentário
·         Melhor Curta Animação
·         Melhor Curta Experimental
·         Melhor Curta – Diretor Estreante
·         Melhor Curta Tocantinense (+ R$ 1.000,00)
·         Melhor Curta da Mostra (+ R$ 1.000,00)

Garoto Coisa - A Digestão

O Júri Popular concederá o Troféu Miragem 2012 ao primeiro mais votado nas seguintes categorias:
·         Melhor Curta Tocantinense
·         Melhor Curta da Mostra
·         Melhor Micrometragem (+ R$ 500,00)


Porto dos Mortos

O Júri Técnico será composto por Natália Ferraciolli (Jornalista e Produtora Cultural), Celso Henrique Acker (Professor Universitário, Ator e Coordenador do GT de Cultura da UFT de Miracema) e Rivas Araújo (Professor e Supervisor Educacional pela UFT, Escritor, Músico, Ilustrador e Crítico Cultural pelo blog Revista Intolerante). O Júri Popular será composto pelo público presente às sessões da mostra competitiva, que votará por meio de cédulas individuais distribuídas durante as exibições e recolhidas no final à urnas. A urna onde as cédulas serão depositadas será aberta somente ao fim da mostra, quando será realizada a apuração dos votos pela organização do evento.

Truks
O 7º Miragem – Mostra de Cinema e Vídeo de Miracema/ 2012 é uma realização da Inusitada Produções e do Cineclube Miragem, com a Co-Produção do GT de Cultura da UFT de Miracema é com o patrocínio do Banco da Amazônia S/A e Governo Federal. Parcerias: Diretoria Regional de Ensino de Miracema (DRE), ASSAMAR – Associação Amigos da Arte e Cineclube Bandeirantes (Miranorte), Oficina Geral – Cultura e Cidadania (Paraíso), Movimento Cultural Fora do Mapa (Cristalândia), Instituto Federal do Tocantins - IFTO (Gurupi),  Diretório Acadêmico do Campus da UFT de Porto Nacional/TO, Centro Educacional Fé e Alegria Frei Antônio (Tocantínia), ITPAC (Araguaína), FAPAF (Pium) e Sec. da Juventude e Cultura de Guaraí/TO.

As fotos que ilustram a matéria são dos filmes que serão exibidos na Mostra Especial/Hors Councours. 
  • Clique aqui para acessar a lista dos filmes selecionados (em arquivo PDF)

Teatro Belém: Oficina Investigando a Dramaturgia Brasileira


Música Porto Alegre: Ana Lonardi e Grecco Buratto


Teatro Belém: Eu me Confesso Eneida


domingo, 14 de outubro de 2012

Poesia Belém: Noite Poética Extremo Norte


Pedro Corrêa do Lago revela manuscrito inédito de Noel Rosa


O cartão acima, manuscrito por Noel Rosa, deve datar de 1936. Assim estimou Pedro Corrêa do Lago ao publicar o documento em sua coluna "Questões Manuscritas", no site da revista Piauí, em 9 de outubro.

No bilhete, Noel pede a seu editor Mangione o adiantamento de 100 mil réis para custear seu tratamento contra a tuberculose, doença diagnosticada em novembro de 1934 e que acabou por vitimá-lo em maio de 1937. 

(Esses pedidos de adiantamento eram comuns na época, baseavam-se no lucro que seria gerado pela obra editada. No caso, como ainda hoje, o autor delegava a alguém - um editor - a responsabilidade de fiscalizar o correto uso de sua composição. Para se remunerar, o editor ficava com um percentual dos direitos autorais que a obra gerava. Porém, como lembrou Mario Lago em suas memórias, era comum também o editor dar um valor a título de adiantamento, a música não estourar e ficar por isso mesmo, já que não haveria como o compositor restituir o valor adiantado.)

No artigo, Corrêa do Lago menciona a coincidência do valor pedido por Noel com o título de um samba seu, de parceria com Vadico, intitulado justamente "Cem Mil-Réis", que ele gravou nesse mesmo ano de 1936. Ao que parece, trata-se apenas de uma coincidência, já que pelos termos do bilhete ("Continuo doente e sem poder trabalhar."), podemos supor que ele foi escrito entre março (quando Noel gravou, além deste samba, o clássico "De Babado") e novembro (quando, já se sentindo melhor, fez dois discos com Marília Batista) - ou seja, o samba já estaria gravado quando Noel escreveu o bilhete. 



Exposição Salvador: 50 faces da discriminação sexual


Por Calila das Mercês, de Salvador
 “Eu amo meu país, mas meu país não me ama. Eu morreria para defender a liberdade do meu país, mas meu país não faria o mesmo por mim. É uma mentira, minha vida é uma grande mentira em um país que me faz sentir o tempo todo que eu deveria estar envergonhado, porque sou um homem com sentimentos por outros homens e não por mulheres... Este é o meu crime...” S. 27 anos. Damasco, Síria 
Etiópia

“Minha família disse claramente o que pensava das “pessoas como eu”. Minha mãe me explicou que elas eram doentes. Meu irmão me disse uma vez que ele queria que Deus pudesse matar todas elas. Ouvi-los dizer isso foi extremamente doloroso. Eu me sinto terrivelmente em conflito comigo mesmo atualmente: eu não tenho sido capaz de conciliar a minha espiritualidade com a minha sexualidade.” N. 32 anos. Porto da Espanha. Trinidad e Tobago.

Verdadeiros gritos sofridos. Assim são as 50 fotografias com seus respectivos desabafos que fazem parte da exposição fotográfica “Condenados – no meu país, minha sexualidade é um crime, aberta no dia 3 de outubro no Centro Cultural dos Correios em Salvador. Resultado da pesquisa do jornalista e fotógrafo francês Philippe Castetbon (à esquerda), a mostra  revela o cotidiano difícil dos homossexuais que vivem nos 80 países nos quais este tipo de relação é condenada.
Rostos escondidos, testemunhos fortes e leis que condenam. Philippe, em sua pesquisa sociológica, através da internet e de forma aleatória, criou uma relação de confiança com homens de diferentes países do mundo onde ser homossexual é considerado crime, e em alguns casos com pena de morte. “Estes homens estão condenados ao terror, mentira, humilhação, exclusão, prisão e violência, fuga ou morte. Vivendo em regime de opressão e perseguição, a internet tornou-se um escape. Nesse espaço de liberdade temporária, eles podem encontrar conforto, conversar com os seus pares e afins, quebrar a solidão, e talvez se apaixonar”, afirma Philippe, também curador da mostra. O medo de ser reconhecido e discriminado, além de perder seus direitos civis e até a própria vida, predomina em todas as histórias.
Guiana

“Este projeto, iniciamos ano passado e Salvador é a segunda cidade da América Latina que trouxemos depois de percorrer por diferentes cidades da Europa. Este é um tema muito importante para ser discutido na comunidade latino-americana. o foco principal deste evento são os direitos humanos. É fundamental trazer este debate para a sociedade brasileira, até como proposta de resgate da tolerância”, conta Dario Gularte, um dos produtores do evento. 
A assessora de comunicação dos Correios, Ana Nery, acredita que “é uma contribuição fundamental que os Correios dão para a construção de um mundo melhor, com as pessoas protagonistas dos próprios destinos, com responsabilidade social, a fim de construir uma sociedade mais fraterna, mais igualitária, respeitando os direitos individuais de cada pessoa”.

Pela lei, no Brasil, a homossexualidade não é crime desde 1831, mas de janeiro a junho deste ano, foram registrados, segundo a ONG Grupo Gay da Bahia (GGB), 165 homicídios de gays, travestis e lésbicas. O número é 28% maior do que de igual período do ano passado. A Bahia ocupa, de acordo com a pesquisa feita através de noticiários de jornais, o terceiro lugar com 14% dos homicídios homofóbicos, ficando em primeiro e segundo lugar, respectivamente os estados de São Paulo (19%) e Paraíba (15%), de acordo com o levantamento. A entidade afirma que há subnotificação em sua base de dados, por levar em conta só o que saiu na mídia, e diz que os números reais devem ser maiores.

A mostra foi considerada "chocante!" pela pedagoga Simone Amorim, uma das visitantes. "Eu me identifiquei com alguns depoimentos e vi algumas pessoas que passaram por coisas muito piores do que eu. Em 80 países, ser gay é crime, é como se fosse algo abominável. É triste ingerir isto! Em todos os lugares, deveríamos ter eventos como este. É uma forma de mostrar para as pessoas que sofrem que elas não estão sozinhas. É importante destacar que, apesar de tudo, aqui no país há um avanço. Hoje a gente tem uma parcela significante de simpatizantes. São através da luta responsável, passeatas conscientes, paradas gays que avançaremos mais”.
Paulette Furacão, Philippe Castetbon e Dario Gularte

Nos meses de outubro e novembro, será realizado um ciclo de debates no local, com convidados especiais, dando continuidade à proposta da exposição, além do lançamento do livro que carrega o nome do evento. “Esta exposição mostra como o LGBT é de verdade, como ele se sente. Tiram da invisibilidade estas questões que são internas para que a gente possa estar discutindo”, afirma Paulette Furacão, representante da Secretaria da Justiça, Cidadania e Direitos Humanos Bahia.
Serviço
Exposição “Condenados – no meu país, minha sexualidade é um crime”
Local: Centro Cultural Correios Salvador - Praça Anchieta s/nº – Pelourinho – Centro Histórico de Salvador (BA)
Horário: de segunda a sexta, das 10 às 18 horas; sábado, das 8 às 12 horas
Entrada: franca
Recomendação etária: 14 anos 
Visitação: de 4 de outubro a 16 de novembro de 2012
Lançamento do livro “Condenados – no meu país, minha sexualidade é um crime”: dia 18 de outubro, às 16h
 Ciclo de debates:
1º debate: dia 18 de outubro, às 16h – “Os Direitos Humanos e a homossexualidade no Brasil e no mundo”, com Gustavo Bernardes (Secretaria de Direitos Humanos do Governo Federal) e Paulette Furacão (Secretaria da Justiça, Cidadania e Direitos Humanos Bahia).
2º debate: dia 25 de outubro, às 16h – “Saúde física e psíquica das minorias sexuais”, com Eduardo Barbosa (Ministério da Saúde) e Javier Angonoa (Consultor da Iniciativa Laços Sociaids – parceria UNAIDS e Governo do Estado da Bahia).
3º debate: dia 01 de novembro, às 16h - “O papel social da arte”, com Luiz Mott (antropólogo, historiador e fundador do Grupo Gay da Bahia) e Angela Elisabeth Lühning (UFBA / Fundação Pierre Verger).

sexta-feira, 12 de outubro de 2012

Workshop "Me Formei, E Agora?" é destaque na imprensa de Pernambuco

Entre os dias 1 e 4 de outubro, estive em Recife, onde o Espaço Santa Rosa havia programado a realização de uma oficina minha (a Oficina de Release) e dois workshops - o de Jornalismo Cultural e o "Me Formei, E Agora?". Este, de longe, foi o que mais repercutiu, devido principalmente ao tema, inédito em Pernambuco. Em função disso, duas matérias foram veiculadas com destaque na imprensa local. Reproduzo as duas abaixo. Infelizmente, não houve inscrições e os eventos não aconteceram. 

***

LeiaJá > Carreiras > Cursos

Workshop aborda planejamento de carreira

Palestra tem recém-formados como público

por Lidiane Dias | sex, 28/09/2012 - 16:44

   

“Me formei, e agora?” será o tema debatido durante o encontro

As incertezas e inseguranças que tomam conta de muitos jovens próximos à formatura serão abordadas no workshop “Me formei, e agora?”. O professor e jornalista gaúcho Fábio Gomes vem ao Recife, pela primeira vez, para falar dessa questão e dar valiosas dicas de como realizar um bom planejamento de carreira. O evento será no dia 1° de outubro, das 8h às 12h, no Espaço Santa Rosa, que fica na Rua Dona Magina Pontual, 384, em Boa Viagem.

Durante o encontro, o palestrante irá avaliar os dois perfis de alunos mais comumente observados ao término de qualquer graduação. Os que não se programam para o período pós-formatura, mesmo tendo a consciência de que não serão efetivados como profissionais após o estágio. E os que se precipitam e, desesperadamente, buscam qualquer tipo de emprego, ainda que seja fora da formação obtida. (OBS: A bem da verdade, há outro tipo de aluno: os que se planejam!) Questões como motivação e direcionamento para obter resultados concretos também serão abordadas.

O professor também irá ministrar, no Espaço Santa Rosa, um workshop sobre jornalismo cultural e uma oficina sobre release. As inscrições para as três atividades estão abertas e devem ser feitas através do e-mail cursos@espacosantarosa.com.br. Mais informações: (81) 3328-7235

(Publicado originalmente em  http://www.leiaja.com/carreiras/2012/workshop-aborda-planejamento-de-carreira)

***



Carreira e Empregos


Profissional precisa saber onde deseja chegar


Decisões não podem ser tomadas aleatoriamente, e sim após muita reflexão

09/10/2012 02:00 - Luciana França

Há momentos em que não se sabe qual direção tomar na carreira. As dúvidas e angústias pairam, e os trabalhadores - principalmente os recém-formados - não definem as ações a serem tomadas para alcançar seus objetivos profissionais. Alguns nem sabem onde querem chegar. Porém, ficar paralisado e ver o tempo passar diante de mercados tão competitivos não contribui em nada. Por isso, um planejamento é necessário.

Nathália Bormann

Fábio Gomes aponta cinco valores a serem seguidos

Para os indecisos, o primeiro passo é eliminar o que não tem afinidade. Perante as opções que sobrarem, é o momento de selecionar o foco desejado à vida profissional. Esta não precisa ser uma escolha definitiva, alvos podem  mudar de acordo com as situações e oportunidades; não necessita ser tudo ou nada. Este é apenas o pontapé inicial a nortear o profissional, pelo menos por um bom período.

O palestrante gaúcho Fábio Gomes, que a convite do Espaço Santa Rosa veio ao Recife ministrar o workshop “Me formei, e agora?” dá a dica. “Até chegar a ação final, que seria o ‘xeque-mate’, surgem oportunidades que levam o profissional a tomar decisões, definidas por mim, como “ações meio”. Estas não necessariamente estão diretamente ligadas ao objetivo final, mas podem guiar ou desviar do foco. Já as "ações fim" são as que levam diretamente ao objetivo. Para saber se vale a pena apostar nestas atitudes o indivíduo deve se guiar por cinco valores. São eles: currículo, experiência, contatos, projeção e remuneração”, cita.

Portanto, antes de aceitar uma proposta de emprego, de estudar em determinada faculdade ou curso, entre outras oportunidades que aparecerem no mundo profissional, a pessoa deve se perguntar: se eu fizer ou aceitar isto, o meu currículo será enriquecido? Ganharei experiências que de certa forma contribuirão para a chegada de meu objetivo? Vou criar contatos e construir relacionamentos com pessoas-chaves que possam agregar à minha  carreira? Esta experiência me dará uma projeção profissional positiva?  (Ou seja, estarei me “divulgando” de forma às pessoas me enxergarem como devo ser visto? E sem prejudicar minha imagem?) E, por fim, esta oportunidade me paga o que desejo ou fará com que, em um futuro próximo, eu seja melhor remunerado? 

A historiadora e, atualmente, estudante Kaluka Amorim, inconscientemente já se fez todas estas perguntas. E foi assim que percebeu que precisaria mudar a postura para atingir seu foco profissional. Após se formar em História entendeu não ser a área na qual gostaria de atuar. Neste período, ainda confusa, resolveu ser vendedora em uma loja de óculos em um centro de compras. “A remuneração era boa, mas todos os outros valores não eram compatíveis com o  meu objetivo de me inserir em um mercado sólido. Estava me desviando. Foi quando foquei na meta de atuar no comércio exterior”, conta.

Para tanto, ela começou a cursar Gestão Portuária e hoje atua na área desejada. Prestes a se formar, ela acredita que, com empenho, conseguirá aumentar a remuneração, e considera-se satisfeita em outros aspectos. Assim, a profissional compreende que a atitude de aceitar esta oportunidade  é uma “ação meio” importantíssima e que a levará, no futuro, onde quer chegar em sua carreira.

* Publicado originalmente em  http://www.folhape.com.br/cms/opencms/folhape/pt/edicaoimpressa/arquivos/2012/10/09_10_2012/0032.html

Música Belo Horizonte: Mad Sneaks


Em julho, a banda Mad Sneaks, surgida em Minas Gerais e hoje morando no Rio de Janeiro, teve seu clipe Rótulo escolhido pelos internautas como o melhor da mostra itinerante Conexão Vivo Movida (já contamos esta história aqui - http://vamosfalar-jornalismocultural.blogspot.com.br/2012/07/clipe-rotulo-da-mad-sneaks-vence.html). 

Agora, neste feriado de 12 de outubro, a Mad retorna a Minas para fazer o show de lançamento de "Rótulo", o single. A ideia é seguir a turnê por outros estados, em especial São Paulo; as datas estão em negociação. 

Em dezembro, a banda lança seu primeiro disco, atualmente em fase de mixagem e masterização no Estúdio Super Fuzz, no Rio.





terça-feira, 2 de outubro de 2012

Recife: Novos horários dos workshops com o jornalista Fabio Gomes


O Espaço Santa Rosa abriu novos horários para os workshops com o jornalista Fabio Gomes, editor do blog Jornalismo Cultural, nesta semana em Recife: 

  • 2/10 (terça), 19h30 - Me Formei, E Agora?
  • 3/10 (quarta), 19h30 - Jornalismo Cultural